01-home
08 de Agosto de 2015

Orientação antes do bebê nascer tranquilizam as mães e previnem depressão e ansiedade

Em meu trabalho voltado para o atendimento de mães e bebês, seja em orientação, seja no tratamento durante a gestação, no pós parto ou no processo de adoção, cada vez mais observo a importância da tranquilidade da mãe (ou quem a substitua) nos cuidados com o bebê e o quanto a sua segurança em relação ao modo de lidar com ele interfere diretamente no vínculo e na qualidade da relação.

Lido constantemente em meu consultório com depressão e ansiedade materna. Sabemos que são inúmeras as causas que podem desencadear a ansiedade, depressão ou episódios depressivos nas mães no período pós-parto. As alterações hormonais tem liderado as causas dessas doenças nas pesquisas científicas. No entanto o que observo é que a depressão também acomete em escala significativa os pais adotivos, principalmente no início da adoção.

Isso me faz pensar que, apesar dos fatores hormonais serem acusados de serem os maiores vilões na causa da depressão e ansiedade, fica cada vez mais evidente que os fatores ambientais são fortemente responsáveis pelos desequilíbrios emocionais neste período, claro que quando associados a outros fatores, como os intrapsiquicos, genéticos e também os hormonais, podem intensificar o quadro. Isso mostra que no início de vida da criança, o ambiente precisa ser muito bem preparado e adaptado para a sua chegada, afim de colaborar positivamente não só para o seu desenvolvimento, mas também para o equilíbrio emocional da família com um todo.

Em meu trabalho, observo que quando as mães são bem orientadas em relação à maneira de como devem lidar com seus filhos, esclarecendo as suas dúvidas e podendo falar a respeito do que as angustiam, desempenham com maior tranquilidade e serenidade as funções maternas. Isso promove também o equilíbrio físico e emocional da criança, que proporcionará sua saúde psíquica na vida adulta.

Preciso esclarecer também que os pais sofrem uma avalanche de informações em relação à maneira como devem cuidar e também educar os seus filhos. Muitas vezes essas informações são contraditórias, chegando até mesmo a causar mais angústia e ansiedade neles. A filtragem de tantas informações é muito importante e para isso, a confiança nessas informações e a segurança dos pais são fundamentais. A análise ou psicoterapia pode ser de grande valia nesse momento, pois promove a autoconfiança e trabalha as questões individuais e inconscientes de cada indivíduo.


Por Cynthia Boscovich